SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico
 

                     

 IGUALDADE

(Tópicos de reflexão quaresmal)


   Que os homens nascem “livres e iguais em direitos” foi afirmação importante das revoluções liberais, a acolher certamente. Mas sempre se embateu com a realidade das distinções persistentes. Por isso, não faltaram críticos práticos aos liberais teóricos, com alguma confusão de planos. A substituição duma sociedade de súbditos e privilégios (direitos particulares de cada grupo social) por outra de cidadãos e direitos comuns, tem sido difícil objectivo da nossa contemporaneidade. E verificamos que os cristãos entraram no debate, quer defendendo tradições, que sempre tinham incluído desigualdades sociais e políticas, quer propugnando por uma igualdade a estabelecer, dada a unidade de origem e a idêntica vocação geral da humanidade, com maior sensibilidade entre eles a um ou a outro destes tópicos. Oiçamos um autor muito influente nos meios católicos oitocentistas: “Uma das risíveis singularidades do último século [XVIII] foi a de querer julgar tudo pelas regras abstractas, sem atenção à experiência, o que é tanto mais de surpreender, quanto este mesmo século não cessava de gritar contra todos os filósofos que começaram pelos princípios abstractos em vez de os buscarem na experiência. Rousseau […] principia o seu contrato social por esta máxima retumbante: O homem nasce livre, e por toda a parte jaz em ferros […]. O homem nasce livre: o contrário desta louca asserção é a pura verdade; porque em todos os tempos e em todos os lugares, até que se estabeleceu o cristianismo, e ainda até esta religião ter penetrado suficientemente nos corações, a escravidão foi sempre considerada como uma parte necessária para o governo e para o estado político das nações. […] Deste modo o género humano é naturalmente em grande parte servo, e não pode sair deste estado senão sobrenaturalmente” (J. de Maistre, Do Papa (1819), Lisboa 1845).

A revelação cristã requer e impulsiona a realização histórica da igualdade, potenciando-a espiritualmente. E os autores cristãos também insistem em que a igualdade se alcança pelo desenvolvimento e partilha do que é e detém cada um e não pela rasoira das abstracções comunitaristas. O Catecismo da Igreja Católica resume-os bem no nº 1936: “Ao vir ao mundo, o homem não dispõe de tudo o que é necessário para o desenvolvimento da sua vida corporal e espiritual. Precisa dos outros. Há diferenças relacionadas com a idade, as capacidades físicas, as aptidões intelectuais e morais, os intercâmbios de que cada um pôde beneficiar, a distribuição das riquezas. Os ‘talentos’ não são distribuídos por igual”. Igualdade na complementaridade reconhecida e oferecida, quer-se então dizer.

Como na comunidade de Jerusalém, assim apresentada por São Lucas: “A multidão dos que haviam abraçado a fé tinha um só coração e uma só alma. Ninguém chamava seu ao que lhe pertencia, mas, entre eles, tudo era comum. […] Entre eles não havia ninguém necessitado, pois todos os que possuíam terras ou casas vendiam-nas, traziam o produto da venda e depositavam-no aos pés dos Apóstolos. Distribuía-se, então, a cada um, conforme a necessidade” (Act 4, 32 ss). Sem idealizarmos demasiadamente o tema – logo a seguir Barnabé cumpriu a regra, mas Ananias e Safira não -, o certo é que ficou como horizonte fixo de perfeição cristã, sucessivamente tentado e transbordando para o campo social. Sobremaneira interessante é a seguinte reflexão de São Gregório de Nazianzo, na segunda metade do século IV, recuperando a igualdade de origem para a igualdade a refazer: “Imitemos a altíssima e primeira lei de Deus, que […] para todos estendeu a terra firme e disponível […]. Ao igual pela natureza concedeu o dom da igual dignidade, demonstrando assim a riqueza da sua bondade. Mas os homens […] nem ao menos pensam que penúria e riqueza, liberdade (assim dizemos) e escravidão, e nomes semelhantes, só mais tarde se introduziram no género humano […] ‘No princípio, assim se lê, não foi assim’. […] Mas considera a primordial igualdade de direitos, não a divisão posterior; não a lei dos poderosos, mas a da criação” (Sermão XIV, 25-26).

Das revoluções setecentistas à Declaração Universal dos Direitos do Homem (ONU, 1948), prosseguiu-se num caminho geral que, ao menos na teoria, é certamente um ganho. Para os católicos, é também um compromisso reforçado: “Toda a espécie de discriminação relativamente aos direitos fundamentais da pessoa, quer por razão do sexo, quer da raça, cor, condição social, língua ou religião, deve ser ultrapassada e eliminada como contrária ao desígnio de Deus”, asseverou o Vaticano II (Gaudium et Spes, 29).

Recuando – ou avançando – de novo, quer no círculo mais próximo de Jesus, quer nas comunidades que brotaram da sua Páscoa, o Evangelho incarnou igualmente em homens e mulheres, nobres e plebeus, gente daqui ou dali, os factores maiores da desigualdade de então. Tudo fundado no ensinamento central sobre um “Pai” que a todos nos cria e nos espera, pelo caminho da filiação divina que o mesmo Cristo nos abre e possibilita, pelo Espírito comunicado. Como na sua despedida – convite: “Subo para o meu Pai, que é vosso Pai, para o meu Deus, que é vosso Deus” (Jo 20, 17). Em relação a esse fim comum, a igualdade é absoluta, em termos de oportunidade. Dizia-o Paulo aos baptizados, com uma clareza que desafiava radicalmente a sua época e não só: “É que todos vós sois filhos de Deus em Cristo Jesus, mediante a fé; pois todos os que fostes baptizados em Cristo, revestistes-vos de Cristo mediante a fé. Não há judeu nem grego; não há escravo nem livre; não há homem e mulher, porque todos sois um só em Cristo Jesus” (Gl 3, 26-28). Ou seja, a igualdade é quase outro nome da nossa dignidade comum, de primeira origem e último destino, como esclarece o Catecismo da Igreja Católica no nº 1934: “Criados à imagem do Deus único, dotados duma idêntica alma racional, todos os homens têm a mesma natureza e a mesma origem. Resgatados pelo sacrifício de Cristo, todos são chamados a participar da mesma bem-aventurança divina. Todos gozam, portanto, de igual dignidade”.

É também reconhecida a admiração que as comunidades cristãs causavam aos seus conterrâneos pagãos, exactamente por reunirem senhores e servos, homens e mulheres, autóctones e estrangeiros. Ainda hoje a causam aqui e ali, sendo por isso proféticas. (Mesmo num país como o nosso, as assembleias dominicais são quase a única ocasião em que se reúnem sistematicamente pessoas de várias condições sociais, proveniências e idades, para louvar o mesmo Deus, ouvir a mesma Palavra e comungar da mesma Vida). Contrafacções havia, certamente, como infelizmente se podem reproduzir. Mas essa igualdade de substância e destino estava assegurada pela inquestionável pessoa do “Fundador do Cristianismo”. Não admira assim que, até por não-católicos, a trilogia da Revolução Francesa – Liberdade, Igualdade, Fraternidade – fosse também ligada à herança cristã.

Mas temos de considerar um certo “tropeço da indistinção”, surgido no caminho da igualdade. Pelas reais ou imaginadas possibilidades da ciência e da tecnologia modernas, chegou-se, por exemplo, a outra consideração do ser humano e da sua realidade masculina ou feminina. Mais do que como produto da natureza, o ser homem ou mulher começou a ser encarado como género cultural de escolha livre. Não se trataria já de evoluir dentro do que se é agora, mas de escolher o que se queira ou se “sinta” ser, alterando a fisiologia pela tecnologia. Por isso, a igualdade, no sentido essencial que buscava, pôde dar lugar à indistinção, como possibilidade e até “legitimidade” de se ser à escolha ou sucessivamente. Culturalmente também, apetece-se a osmose, mais do que a relação propriamente dita.

“Relação”, de facto, supõe distinções de raiz. Ninguém é absoluto, antes relativo, pois só na interdependência das diferenças se realiza como pessoa, isto é, ser em relação. Por isso também, o género ou a raça, a localização e cada cultura, não são necessariamente “limites” à igualdade essencial a realizar, mas possibilidades de ser com os outros, dando e recebendo mutuamente, porque os outros são na verdade outros e nós os outros dos e para os outros. Quererá isto dizer que a igualdade só pode acontecer entre seres distintos que partilhem o que têm: acontece como possibilidade e resultado, não como indistinção “irresponsável”. Entre absolutamente idênticos não haveria campo para a igualdade, porque esta se define na relação, o mesmo se dizendo para a liberdade e a fraternidade.

O tema é muito mais amplo. Começa por ser teológico, pois na consideração bíblica da humanidade cada um de nós integra um todo que se realiza na distinção e na complementaridade. Iguais, conjugando masculino e feminino, na primeira expressão familiar da sociabilidade; iguais, na especificidade dos vários órgãos dum só corpo, como Paulo lembrava aos coríntios (cf. 1 Cor 12, 12 ss). Iguais, mas no espanto daqueles povos todos que, sem deixaram de o ser, ouviram anunciar, na língua de cada um, as maravilhas de Deus (cf. Act 2, 7 ss). E nós cristãos sabemos – como outros, aliás, o intuem – que tudo é assim, complementarmente igual, porque o próprio Deus o é antes de mais, na sua unitrindade: Pai como Pai e Filho como Filho, no amor do Espírito, que entre os dois circula.

Manuel Clemente

Sé do Porto, 18 de Março de 2010

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt