SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

 

 

Quinta Catequese:

A família, aberta a Deus e ao próximo

  1. Canto de entrada

  2. Oração do Pai Nosso

  3. Leitura bíblica: Ef 5, 25-33

  4. Leitura do Ensinamento da Igreja

1. O homem está feito à imagem e semelhança de Deus, para viver e conviver com Ele. Nem o ateísmo, nem o agnosticismo, nem a indiferença religiosa são situações naturais do homem e tampouco podem ser situações definitivas para uma sociedade. Os homens estamos ligados essencialmente a Deus, como uma casa o está com relação ao arquitecto que a construiu. As dolorosas consequências dos nossos pecados podem obscurecer este horizonte, mas cedo ou tarde sentimos a falta da casa e do amor do Pai do Céu. Acontece connosco o que aconteceu com o filho pródigo da parábola: não deixou de ser filho quando foi embora da casa do seu pai e, por isso, apesar de todos os seus extravios, terminou sentindo um desejo irresistível de voltar. De fato, todos os homens sentem sempre a nostalgia de Deus e têm a mesma experiência que santo Agostinho, mesmo que não sejam capazes de expressá-la com a mesma força e beleza com que ele o fez: “Fizeste-nos, Senhor, para Vós, e o nosso coração não descansará enquanto não descansar em Vós”.

2. Consciente desta realidade, a família cristã situa a Deus no horizonte da vida dos seus filhos desde os primeiros momentos da sua existência consciente. É um ambiente que eles respiram e assimilam. Isto os ajuda a descobrir e acolher a Deus, a Jesus Cristo, ao Espírito Santo e à Igreja. Com plena coerência, já desde o primeiro momento do seu nascimento, os pais pedem à Igreja o Baptismo para eles e os levam com entusiasmo para receber as águas baptismais. Depois os acompanham na preparação para a Primeira Comunhão e para a Confirmação e os inscrevem na catequese paroquial e buscam para eles o Colégio que melhor os educará na religião católica.

3. No entanto, a verdadeira educação cristã dos filhos não se limita a incluir a Deus entre as coisas importantes da vida dos filhos, mas também situa Deus no centro dessa vida, de forma que todas as outras actividades e realidades (a inteligência, o sentimento, a liberdade, o trabalho, o descanso, a dor, a doença, as alegrias, os bens materiais, a cultura, em uma palavra: tudo) estejam modeladas e regidas pelo amor a Deus. Os filhos têm que habituar-se a pensar antes de cada acção ou omissão: “o que Deus quer que eu faça ou deixe de fazer agora?” Jesus Cristo confirmou a fé e a convicção dos fiéis da Antiga Aliança, sobre o que eles consideravam “o grande mandamento”, quando respondeu ao doutor da lei que “o primeiro mandamento é este: amarás o Senhor teu Deus com todo o teu coração, com toda a tua alma, e com todas as tuas forças”.

4. Esta educação na centralidade do amor a Deus é realizada pelos pais sobretudo através das realidades da vida diária: rezando em família nas refeições, estimulando nos filhos a gratidão a Deus pelos dons recebidos, recorrendo a Ele nos momentos de dor em qualquer uma das suas formas, participando na missa dominical com eles, acompanhando-os para receber o sacramento da Reconciliação, etc.

5. A pergunta do doutor da Lei só incluía “qual é o primeiro mandamento”. Mas Jesus, ao responder-lhe, acrescentou: o segundo, semelhante a este é: “amarás o próximo como a ti mesmo”. O amor ao próximo, portanto, é “o seu mandamento” e “o distintivo” dos seus discípulos. Como concluía são João com fina psicologia: “Se não amamos o próximo a quem vemos, como vamos amar a Deus, a quem não vemos?”

6. Os pais devem ajudar os filhos a descobrir o próximo, especialmente o necessitado, e a realizar pequenos mas constantes serviços: compartilhar com os seus irmãos os brinquedos e presentes, ajudar os que são mais novos, dar esmola ao pobre na rua, visitar os familiares enfermos, acompanhar os avós e prestar-lhes pequenos serviços, aceitar as pessoas fazendo-os deixar de lado e perdoar as pequenas limitações e ofensas de cada dia, etc. Estas coisas, repetidas uma e outra vez, configuram a mentalidade e criam hábitos bons; para enfrentar a vida com a predisposição adquirida do amor aos outros, e fazê-los assim capazes de criar uma sociedade nova.

  1. Reflexão do que dirige

  2. Diálogo

  3. Compromissos

  4. Oração comunitária

  5. Oração pela família

  6. Canto final

 

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt  
 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt  
 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt  
 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt