SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico
 

 

 

14º DIA DIOCESANO DA FAMÍLIA

   | Imagens do Dia Diocesano |

31 - 5 - 2015

 

Santo Tirso

 

 

 

 

ECOS DO DIA DIOCESANO DA FAMÍLIA


 

 

O Pavilhão Municipal de Santo Tirso foi pequeno para conter os 1.260 casais jubilados inscritos e os muitos familiares que os acompanharam, vindos de todas as Vigararias da Diocese, para dar graças a Deus pelos seus jubileus de 10, 25, 50 e 60 anos de vida matrimonial.

 

Tratou-se da 14ª edição do Dia Diocesano da Família, que a Voz Portucalense foi anunciando ao longo de várias semanas, e que teve lugar no dia 31 de Maio, Festividade da Santíssima Trindade.

 

A Câmara Municipal de Santo Tirso deu todo o apoio em termos logísticos, beneficiámos de todas as facilidades da Direcção do Pavilhão, tendo sido fácil montar a máquina sob a orientação do Secretariado do Diocesano da Pastoral e o voluntariado da Equipa Vicarial da Pastoral Familiar de Santo Tirso e do Grupo de jovens de Pedroso.

 

O altar e seu fundo eram de grande beleza e dignidade e a Eucaristia teve o seu início à hora prevista, presidida pelo Senhor D. António e concelebrada pelos Bispos Auxiliares, D. Pio, D. António Taipa, D. João Lavrador, e por algumas dezenas de sacerdotes.

 

Aproveitamos parra incluir a homília de D. António:

 

“1.Reúne-nos neste domingo da Santíssima Trindade o desejo de celebrar a Eucaristia, com o olhar da fé voltado para Deus e com o olhar do coração voltado para as famílias. Viemos de todas as 22 vigararias da nossa Diocese para responder ao convite: “Abri a vossa Família à Alegria do Evangelho”.

 

Saúdo com alegria as famílias que, neste 14.º Dia Diocesano da Família, aqui acorreram e agora renovam, diante de Deus e em Igreja, o seu projeto de vida, o seu compromisso de amor, o seu testemunho de fidelidade e o seu caminho de felicidade, ao celebrar 10, 25, 50 ou 60 anos de matrimónio.

 

Esta festa não é apenas uma festa de 1.260 casais, que hoje aqui se reúnem em jubileu. Esta, é a festa de todos os membros da família de cada um destes casais. Esta, é a festa de todas as famílias da nossa Diocese que, ao recordarem o seu matrimónio querem dar graças a Deus pelo amor, pela fidelidade, pela alegria e pela fecundidade do sacramento recebido.

 

Cada sacramento celebrado e abençoado “em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo” afirma “a nossa fé na verdadeira divindade, ao mesmo tempo que adoramos as três pessoas distintas, a sua essência única e a sua igual majestade” (do Prefácio da Eucaristia).

 

O texto da primeira leitura, do Livro do Deuteronómio, recolhe e recorda a experiência do povo bíblico que sentiu a presença do Senhor no seu meio e no desenrolar da sua

história. Esta presença de Deus revelou ao povo de Israel a Sua «mão forte» e o Seu «braço poderoso», em ordem ao bem de cada um.

 

A palavra de Deus é, em cada uma das vossas casas, queridas famílias, palavra acolhida, contemplada, rezada, vivida e testemunhada. Deus realiza diariamente, diante dos vossos olhos, prodígios e maravilhas no meio de provas, de dores e de canseiras. São para todos nós, mas concretamente para vós, queridas famílias, estas palavras da primeira leitura: “considera hoje e medita em teu coração que o Senhor é o único Deus, no alto dos céus e cá em baixo na terra. Cumprirás as suas leis e os seus mandamentos para seres feliz, tu e os teus filhos, depois de ti, e terás longa vida na terra que o Senhor teu Deus te vai dar para sempre.” ( Dt 4, 32-40).

 

2. Abri o vosso coração, o coração das vossas famílias e tocai de perto a alegria desta presença do Deus único, uno e trino, na vossa vida de família. O coração da família tem tantas portas a abrir, para que aí se sinta o pulsar do coração de Deus na vida dos esposos, dos pais, dos filhos, dos irmãos, dos avós e dos netos.

 

O testemunho das famílias cristãs é uma das melhores e maiores portas para abrir o coração da Igreja do Porto, convocada para anunciar a doce e reconfortante alegria de evangelizar e para fazer hoje e sempre “da alegria do Evangelho a nossa missão”.

 

Procurai com o vosso testemunho de vida e com a vossa disponibilidade para a missão, abrir o coração da sociedade, para que se respeite sempre na nossa terra o valor sagrado da família e o dom inviolável da vida, desde a conceção até à morte.

 

3. Abrir a família à alegria do evangelho significa voltar o olhar das famílias para Deus, como sempre fazem os filhos quando se voltam na direção da sua casa e dizem sem medo da distância, confiantes na bondade do pai e na ternura da mãe: “ Levantar-me-ei e irei para meu pai” (Luc 15, 18 ).

 

Abrir a família à alegria do evangelho implica aprender a olhar a família com o olhar de Deus. O olhar de Deus amplia o horizonte do nosso olhar e permite ver mais longe, ajuda a ver melhor e faz ver mais claro.

 

Abrir a família à alegria do evangelho consiste em descobrir o melhor de cada membro, encontrar a dignidade intacta de cada um, reavivar a chama da esperança que habita os nossos lares e reacender, a partir da família, a luz de novos dias para a Humanidade.

 

4. Convido-vos, queridas famílias, ao celebrardes 10, 25, 50 e 60 anos do vosso matrimónio, a regressardes, em pensamento e em missão, à vossa casa e, neste regresso a casa, sentai-vos à mesa de família, dai graças a Deus, abeirai-vos do berço dos vossos filhos e netos e escutai a voz do tempo que vos diz quanto Deus realizou em vós.

 

Recordai e refazei serenamente, em diálogo de família, este belo caminho que percorrestes e redescobrireis tantos sinais da presença de Deus e a força do seu amor que tudo vence e tudo transforma. Encontrareis em vós, através da memória do tempo que passou, essa reserva espiritual que sempre vos habitou, esse suplemento de alma

que continuamente vos animou no caminho e essa bênção divina que, em permanência, vos fortaleceu nas horas mais difíceis.

 

Reavivai, também, neste encontro com a família que sois e com a casa que edificais, os valores sagrados da humilde casa de Nazaré, a casa de Maria, de Jesus e de José.

 

Casa de família, a exemplo da casa de Nazaré, é bálsamo de unção onde se curam tantas feridas, que pela vida os caminhos ásperos nos vão fazendo! Casa de família é átrio do Cenáculo, onde Jesus nos serve, no lava-pés, e nos antecipa em promessa a certeza das bem-aventuranças!

 

Casa de família, de portas abertas à alegria do evangelho, é santuário onde se escuta a Palavra de Deus, se reza em comum e se partilha o banquete do pão repartido e da Eucaristia celebrada. Parabéns, queridas famílias! Que Deus vos prolongue a vida, vos conceda saúde e vos dê a sua bênção!

 

As famílias precisam de ter no seu seio corações tocados pela ternura de Deus, capazes de gestos de perdão e decididos a viver a ousadia da misericórdia para que toda a família se transforme e seja feliz.

 

As comunidades cristãs necessitam, por sua vez, de famílias decididas a viver e a testemunhar com coragem a beleza do seu amor abençoado e disponíveis para a missão, concretamente, ao serviço da pastoral familiar ou integrados em movimentos de preparação do matrimónio e de acompanhamento, espiritualidade e formação das famílias.

 

A Igreja, concretamente neste tempo datado da história, convocada pelo Papa Francisco a preparar o Sínodo sobre a Família e os desafios pastorais que daí advêm, deve acolher com ternura aquelas famílias que sofrem momentos de provação, situações de dor, mágoas pelas ruturas e apreensões diante do futuro.

 

Só assim é possível transformar o coração do mundo para que também aí se possa redescobrir o valor único, insubstituível e perene da família, célula essencial da vida e garantia do futuro da sociedade.

 

5.Este Dia Diocesano da Família quer fazer brilhar, através da presença e do testemunho das famílias da nossa Diocese, a alegria do evangelho no rosto e no coração de todas as famílias para que testemunhem ao mundo a alegria de serem famílias moldadas segundo o coração de Deus e enraizadas nos valores do evangelho.

 

Neste mês de maio, mês de Maria, reunidos e congregados sob o olhar terno de Nossa Senhora da Assunção de Monte Córdova, nesta bela colina de Santo Tirso, confio e consagro as famílias da nossa Diocese a Nossa Senhora.

 

Em Maria, Mãe de Deus, Mãe da Igreja e nossa Mãe, se espelha o rosto de ternura de Deus. Nela e com a sua bênção se fortalecem, se renovam e se recriam as famílias cristãs da nossa Diocese. Com Ela cantamos diariamente em toda a Diocese ao olharmos para as nossas famílias: “A minha alma glorifica o Senhor porque Ele realizou maravilhas a favor do seu povo” (Luc 1, 47-49).”

 

 

Antes da bênção, foi dada a palavra ao Senhor Presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso que referiu alguns aspectos prioritários da sua acção autárquica ao redor da família: apoio às crianças, idosos e aos mais fragilizados, traduzidos em atitudes e gestos que têm por finalidade o homem, independentemente de culturas, de credos e de ideologias.

 

O P. Manuel Mendes, Assistente do Secretariado Diocesano da Pastoral, agradeceu a presença do Presidente da Câmara Municipal de Santo Tirso e de elementos da sua Vereação, tendo referido o indispensável apoio logístico e as facilidades encontradas na Direcção do Pavilhão. Agradeceu, ainda, aos Bombeiros Voluntários de Santo Tirso a disponibilidade de uma ambulância e de uma equipa de primeiros socorros e à Polícia de Segurança Pública pela gestão do trânsito nas imediações do Pavilhão. Não esqueceu a dedicação das estruturas da Pastoral Familiar, quer local, que de toda a Diocese pelo empenho colocado na divulgação e na motivação à participação nessa acção. Referiu o maestro e a belíssima prestação do coro, a acção dos acólitos, dos escuteiros e o brio e a dedicação incansável dos jovens de Pedroso, Vila Nova de Gaia, que, há já uns anos, tem vindo a acompanhar o Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar na organização deste evento.

 

Anunciou que em 2016 o Dia Diocesano da Família será no dia 22 de Maio, desejavelmente no Pavilhão Rosa Mota, na cidade do Porto

 

D. António, depois de proceder aos agradecimentos finais, dirigindo-se a todas as entidades e individualidades que abraçaram esta acção e a ajudaram a colocar de pé, deu a bênção. Seguiu-se a entrega a cada jubilado de uma bênção personalizada e de um diploma evocativo do jubileu celebrado.

 

Era visível no rosto de todos a alegria deste dia de acção de graças, por terem falado com um bispo ou um sacerdote, pelo modo como foram acolhidos e acomodados e como funcionou a organização.

Secretariado Diocesano de Pastoral Familiar

 

 

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt  

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt  

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt