SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

 

 

 

D. António Francisco dos Santos

 

HOMILIA DA CELEBRAÇÃO DA PAIxÃO -  2014


Irmãos e Irmãs,

1.Nesta tarde de Sexta-Feira Santa tem redobrado sentido olhar para a Cruz de Cristo.

Ao olhar para a Cruz não estamos sós. Connosco, de olhar fixo no Crucificado, estão todos os que sofrem.

Se olharmos, também nós, o mundo a partir da Cruz de Cristo veremos que se ampliam os sentimentos do nosso coração e se alarga o nosso campo de visão.

Na Cruz, a Humanidade deixa de ser vítima do pecado e da morte para iniciar a partir de Cristo e com Ele a sua própria história da salvação fascinado pelo valor incondicional e sagrado da vida e pela certeza inabalável da
ressurreição.

Quando a Cruz pesa sobre alguém, todos nós somos necessários e imprescindíveis como cireneus, mesmo que a nossa ajuda pareça insignificante perante a imensidão da dor. Assim compreendemos que Jesus não esteve só no caminho da Cruz. Com Ele fizeram caminho também o Cireneu, a Verónica, as mulheres de Jerusalém, o discípulo João e sobretudo a Mãe de Jesus. A Mãe é sempre quem melhor compreende o mistério da dor e mais alivia o peso da cruz.

O caminho do Calvário de todos os que sofrem não prescinde, também hoje, de cireneus que partilhem a dor e que reparem a humilhação, o desprezo, a indiferença, a injustiça, o luto e a miséria que são em todos os tempos da história angustiantes e demolidoras experiências de sofrimento e de cruz.

2.A narração da paixão, agora proclamada, diz-nos que no auge da crucifixão, Jesus revela, pelas palavras que se lhes soltam do coração, a sua doação obediente até à morte e a dimensão infinita do seu amor pela Humanidade.

Um condenado, ali crucificado a seu lado, implorou de Jesus que se lembrasse dele quando estivesse no seu reino. (Lc. 23, 42).

A reacção de Jesus foi acolhê-lo de imediato, sem cláusulas nem condições: "Hoje mesmo entrarás no Paraíso" (Lc. 23, 43).

A Humanidade sempre recorreu a Deus. E sempre O procurou. Mesmo que seja por caminhos estranhos, veredas silenciosas ou periferias ignoradas ou desconhecidas.

E a última palavra, surpreendentemente serena e confiante, é esta: "Pai nas tuas mãos entrego O meu Espírito" Lc 23, 46).

É a manifestação de que tudo está cumprido. A Humanidade está salva. Está restabelecida a Aliança nova entre o Senhor e o Seu Povo, reaberto o diálogo entre Criador e a Criação e restabelecido o amor entre Deus e a Humanidade.

3.Nesta tarde de Sexta-Feira Santa, queremos continuar, dois mil anos depois, a olhar o Crucificado e a rezar-Lhe:

Quando vires, Senhor, pobres na nossa cidade, gente sem pão nem abrigo, sem mesa e sem lar nas nossas terras...

            ...Faz que as nossas portas se abram, as nossas mãos se estendam e o nosso pão se reparta.

Quando encontrares, Senhor, multidões sem rumo e sem rosto, jovens sem horizonte e sem projectos, braços sem trabalho e sem emprego...

...Faz que as nossas ruas ganhem vida com pessoas felizes, o nosso futuro recupere encanto e a terra que pisamos nos ofereça alegria, trabalho e esperança.

Quando sentires, Senhor, lágrimas tristes e magoadas de crianças sem família, sem escola ou sem terra ou de idosos, irmãos gémeos da solidão, do desânimo e do abandono...

... Faz que a vida seja defendida e respeitada, como direito sagrado e valor eterno, as famílias cresçam em amor e em paz e os idosos e doentes recebam em presença, afecto e respeito o que nos dão em sabedoria, exemplo e bênção.

Quando souberes, Senhor, que há Calvários levantados em lugares de gente abandonada e inocente, cruzes de dor erguidas em holocaustos de sofrimento e corações rasgados em momentos de abandono...

... Faz que encontremos coragem humana, decisão crente e determinação evangélica para percorrer caminhos com os que sofrem e partilhar as dores dos irmãos sem ninguém.

Quando ouvires, Senhor, orações de súplica, de gratidão e cânticos de louvor cristão em comunidades vivas de fé, de entusiasmo e de comunhão...

            ... Faz que a vida, a fé, a esperança, a caridade e a missão desta amada Igreja do Porto se centrem sempre em Ti e irradiem para o Mundo a partir de Ti, Senhor Jesus.



Igreja Catedral do Porto, 18 de Abril de 2014

António, Bispo do Porto

 

 

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt