SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

SECRETARIADO DIOCESANO DA PASTORAL FAMILIAR

DIOCESE DO PORTO

InícioOrganizaçãoPlano de AcçãoActividadesDia DiocesanoJornada DiocesanaMovimentosHistórico

 

 

IMACULADA CONCEIÇÃO, VERDADE DE MARIA E MISSÃO DA IGREJA


Amados irmãos e irmãs


 

Celebramos a Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria. Celebramo-la, hoje e aqui, quando nos preparamos para a “missão 2010” e na feliz circunstância da ordenação diaconal de alguns irmãos nossos, pertencentes a Institutos Religiosos – Espiritanos e Passionistas – presentes e activos na Diocese do Porto.

Tudo isto condiz. E necessariamente condiz, porque a Imaculada Conceição de Maria é a primeira claridade de Cristo, novíssimo Sol que se levanta sobre a terra. Condiz, porque a Mãe que Deus criou para d’Ela nascer no mundo é também a “nova terra” onde já se entrevêem os “novos céus”; terra recriada pela divina graça, para que a aventura humana se refizesse no melhor que sobrara, como esperança, de tanta contradição acumulada em relação ao que o mundo poderia ser; seria, se, desde o princípio, só tivesse havido acolhimento da vontade divina e a desobediência não serpenteasse nos corações humanos.

Desobediência antiga e insistente, que em geral conhecemos, mesmo sem sair de nós mesmos: persiste nos nossos corações, sempre que pretendemos prosseguir só por nós, como se não vivêssemos de Deus e com os outros, para os outros e para Deus, aprendendo a caridade, a única que nunca acabará. Conhecemos – e dramaticamente demais – a insinuação da dúvida, a languidez do desânimo e o sussurro do egoísmo… Serpenteiam realmente e secam-nos as fontes da vida. Vale-nos o que Deus disse à serpente, depois do primeiro ludíbrio, que sofremos em Eva: “Estabelecerei inimizade entre ti e a mulher, entre a tua descendência e a descendência dela. Esta te esmagará a cabeça…”. Aconteceu finalmente, com a nova Eva e a sua descendência, Jesus Cristo, homem novo que em nós reconstrói a obediência ao Pai, e assim a vida. Retomou-se então, para prosseguir agora, o desígnio divino que São Paulo expressou assim, como há pouco ouvimos e certamente lembramos: “Deus escolheu-nos em Cristo, antes da criação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis, em caridade, na sua presença”.

Não nos pareça desmedido o programa, de sermos santos e irrepreensíveis na caridade e na presença de Deus… Por nós, só por nós, tal seria realmente impossível. Em Cristo e pelo Espírito de Cristo, é caminho aberto e meta atingível, como o verificamos previamente em Maria, para que seja possível na humanidade inteira.

– E porquê previamente em Maria, na sua Imaculada Conceição, como a celebramos hoje? Porque para estar completamente connosco e assim renovar a humanidade de todos, Deus precisou de encontrar um coração que estivesse totalmente com Ele, com disponibilidade e compromisso também totais: para isso preservou Maria de toda a mancha original, ou seja, de toda a resistência ao seu amor, desde o princípio acumulada no coração humano. Graça de Deus que permitiu a incarnação de Cristo em Maria, totalmente assentida e correspondida por Ela. Obra do Espírito, que há de encontrar nos baptizados o idêntico acolhimento e correspondência.

Tudo perpassa no diálogo daquele dia, em Nazaré da Galileia. O Mensageiro divino abeira-se de Maria e saúda-a, com palavras que não nos cansamos de repetir: “Ave, cheia de graça, o Senhor está contigo!”. Revelava-se nelas a verdade de Maria, a “cheia de graça”, imaculado coração que não tinha nada mais senão graça de Deus e acolhimento da sua vontade. Por isso o encontro entre Deus e o homem, isto é, o nascimento de Cristo na humanidade de nós todos, foi possível em Maria, nova terra para o homem novo. Tudo de Deus, na incarnação de Cristo. Tudo para Deus no coração de Maria: “Eis a escrava do Senhor, faça-se em mim segundo a tua palavra”. Assim terminou o trecho que ouvimos. Assim e só assim, continua Cristo no mundo, quando os corações dos baptizados estão com o de Maria.

Por isso mesmo, os autores cristãos, lídimos intérpretes dos corações crentes, não tardaram a olhar a Igreja à luz de Maria, no acolhimento activo da Palavra e da Graça divinas, para a recriação do mundo. Aí se aproximam, sem se confundirem aliás, e sempre por graça divina e em função de Cristo, os dogmas da Imaculada Conceição de Maria e da Conceição Virginal de Jesus, como traz o Catecismo da Igreja Católica, nº 494: “E aceitando de todo o coração, sem que nenhum pecado a retivesse, a vontade divina da salvação, [Maria], entregou-se totalmente à pessoa e à obra do seu Filho para servir, na dependência d’Ele e com Ele, pela graça de Deus, o mistério da redenção. […] Eis porque não poucos Padres afirmam, tal como ele [Santo Ireneu], nas suas pregações, que ‘o nó da desobediência de Eva foi desatado pela obediência de Maria […]’; e, por comparação com Eva, chamam Maria a ‘Mãe dos vivos’ e afirmam muitas vezes: ‘a morte veio por Eva, a vida veio por Maria’”.

Condiz ainda e sempre, a Imaculada Conceição de Maria, com a nossa missão no mundo, porque a graça que a fez “imaculada” faz dos baptizados nova criação também. E com a mesma finalidade, de salvar a todos pela filiação divina, oferecida em Cristo pelo Espírito: Espírito que O incarnou n’Ela e agora O expande na vida e na missão da Igreja. Vida e missão, que têm na consagração religiosa e no sacramento da Ordem expressões fortíssimas e concretizações admiráveis.

- Como tudo isto condiz perfeitamente, amados irmãos e irmãs, na grande harmonia das verdades católicas! Meditemos nestas verdades, tão definitivas e luminosas elas são. E também para as percebermos melhor, caso persista alguma incompreensão sobre este dogma tão deslumbrante e salutar, da Imaculada Conceição da Virgem Santa Maria.

Com efeito, alguma teologia “liberal” - que melhor chamaríamos “individual”, por ser feita a partir das ideias de um ou outro autor, mais do que da Tradição da Igreja -, tem tendência a reduzir a verdade cristã àquilo que a mentalidade contemporânea queira admitir como gnoseologia possível… Mas havemos de concordar que, nestes termos, nada de original traria propriamente o Cristianismo, que a especulação humana não afirmasse já.

Nada de original como afirmação e nada de original como prática. Não foi por “lugares comuns” que Cristo morreu por nós e os mártires morreram com Ele; não foi por consensos amenos que se amaram os inimigos e se “deixou tudo” para se fazer próximo dos desconhecidos e contrários… Não foi nem é por mero corolário “religioso” de entendimentos gerais. Da Trindade divina à incarnação do Verbo, da conceição virginal de Jesus à sua realíssima Páscoa – morte real e ressurreição autêntica -, tudo é obra da graça divina, tudo é nova criação do mundo, tudo é novo e novíssimo, não oposto mas estimulante da nossa razão, para que se alargue à realidade inteira, onde finalmente coincidam as aspirações humanas e a própria aspiração divina a ter-nos consigo, totais e eternos. E o que é magnífico no dogma que hoje agradecemos e celebramos é tudo ter começado assim: no coração imenso de Deus e no coração imaculado de Maria. Num lugar recôndito duma Galileia obscura, recriou-se o mundo.

Compreendemos então porque é que a Imaculada Conceição de Maria, a missão da Igreja e o sacramento da Ordem, se unem tão bem nesta única celebração que fazemos. A missão da Igreja não nasce de projectos humanos nem da avaliação de objectivos e meios, no sentido corrente. Implica-os, até certo ponto, mas antecede-os e ultrapassa-os, porque “as coisas de Deus fazem-se com Deus”.

Da trilogia que João Paulo II nos deixou para a “nova evangelização”, que há-de ser “nova no ardor, nova nos métodos e nova nas expressões”, o mais decisivo é o ardor que tenhamos, em total coincidência com o coração de Deus, que sustenta e salva a criação inteira. – Onde encontraremos um coração assim, fora dos Corações de Jesus e Maria, do Sagrado Coração de Jesus e do Imaculado Coração de Maria? E que é o sacramento da Ordem, que ides receber dentro de momentos, caríssimos irmãos, senão a transformação pela graça do vosso próprio coração no coração pastoral de Cristo?

Tudo se liga, de facto, tudo verdadeiramente condiz. Como em vós todos, irmãos e irmãs, no baptismo comum que aqui nos tem e faz crescer em fé e obras.

Deixai-me fazer ainda uma alusão ao facto de Nossa Senhora da Conceição ser Padroeira de Portugal. Não sai do contexto geral desta reflexão. Aluda-se, por belo exemplo, ao Padre António Vieira, altíssimo expoente de portugalidade e fé, de oratória e missão, neste quarto centenário do seu nascimento. É ele mesmo que aproxima a restauração da independência portuguesa (1640 e seguintes) da Imaculada Conceição de Maria, deixando entender que aquele facto nacional só teria sentido definitivo se servisse a restauração do mundo pela graça de Cristo.

E deixai-me dizer que esta reflexão de Vieira não se esgota no tempo que viveu, tornando-se exortação para os dias de hoje: se nos queremos “restaurar” como sociedade, ultrapassando tantas coisas que nos fariam duvidar de nós próprios – na vida económica e financeira, na vida política e cultural, no campo da solidariedade, da educação e do apoio concreto à vida em todo o seu arco existencial – retomemos a seiva evangélica, que nos deu os melhores momentos do passado para nos garantir as melhores metas no futuro.

Nascemos “Terra de Santa Maria”: façamos do nome um programa, partamos com Ela em missão!


+ Manuel Clemente

Sé do Porto, 8 de Dezembro de 2008

 

 

 

Secretariado Diocesano da Pastoral Familiar - Diocese do Porto

Rua Arcediago Van Zeller, 50     4050 - 621 PORTO

pastoralfamiliar@diocese-porto.pt